Famílias brasileiras têm maior patamar de endividamento desde o fim de 2022 – Paulo Figueiredo

Foto - Foto: Pixabay

Patamar chega a 78,8%; a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo atribui o aumento ao acesso facilitado ao crédito.

Divulgada nesta segunda-feira, 10, a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic) revelou que 78,8% das famílias brasileiras têm algum endividamento vigente. Esse é o maior patamar desde novembro de 2022. Os dados, referentes ao mês de maio, são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC)

Em abril, o endividamento das famílias estava em 78,5%. Para a pesquisa, o termo “endividado” corresponde àquele que possui qualquer dívida em aberto, não necessariamente em atraso. Compras no cartão de crédito e financiamentos são considerados dívidas. 

A CNC atribui o aumento no número de endividados ao acesso facilitado do brasileiro ao crédito. 

“O aumento da oferta de crédito corrobora esse padrão”, escreveu a entidade, no relatório do indicador. “O saldo das operações de crédito para pessoas físicas aumentou 0,8% em abril de 2024, de acordo com o Banco Central, enquanto o crescimento acumulado em 12 meses acelerou de 8,6% em março para 8,9% em abril.”

A cada reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a meta da taxa básica de juros (Selic) cai progressivamente, desde agosto do ano passado. Ela já recuou de 13,75% para 10,5%. 

Ainda de acordo com a Peic, o porcentual de famílias que responderam estar “muito endividadas” subiu de 17,2%, em abril, para 17,8%, em maio. Além disso, 12% das famílias disseram não ter condições de pagar as dívidas — 0,1 ponto porcentual menor que o mês anterior. 

As pessoas com dívidas ou contas em atraso são consideradas inadimplentes pela pesquisa. De acordo com o levantamento, 28,6% das famílias estão enquadradas nessa modalidade, o mesmo nível de abril.

Os mecanismos do endividamento

O cartão de crédito é o maior mecanismo de endividamento das famílias brasileiras, sendo responsável por 86,9% dos casos. Carnês (16,2%), crédito pessoal (9,8%) e cheque especial (3,9%) completam a lista. Este último apresenta sua menor taxa desde o início da pesquisa, em 2010. 

Até dezembro deste ano, a CNC prevê um crescimento contínuo nas dívidas das famílias brasileiras. Os cálculos mostram que a parcela deve chegar a 80,4%.

Source link

Fontes – Link Original

5/5

Compartilhe nas suas Redes Sociais

Facebook
Twitter
WhatsApp

Parceiros TV Florida

TV Florida USA – A sua TV Brasileira nos Estados Unidos

Registre-se

Registre-se para receber atualizações e conteúdo exclusivo para assinantes

Entretenimento

Noticias Recentes

@2023 TV FLORIDA USA