Xi Jinping monta ‘big brother’ casa por casa para obter o controle total da vida dos chineses – Paulo Figueiredo

Revivendo uma campanha de vigilância da era Mao, as autoridades estão rastreando residentes, crianças em idade escolar e empresas para evitar qualquer possível agitação.

A parede na delegacia de polícia estava coberta de folhas de papel, uma para cada prédio no complexo de apartamentos em expansão de Pequim. Cada folha trazia informações de cada apartamento, com nomes, números de telefone e outras informações sobre os moradores.

Talvez o detalhe mais importante, no entanto, fosse como cada unidade estava codificada por cores. Verde significava confiável. Amarelo, precisava de atenção. Laranja exigia “controle rigoroso”.

Um policial inspecionou a parede. Então ele se inclinou para marcar um apartamento no terceiro andar de amarelo. Os moradores dessa unidade mudavam frequentemente, e portanto eram “de alto risco”, dizia sua nota. Ele faria um acompanhamento mais tarde.

Voluntários de um comitê de bairro vigiam uma rua em Pequim
Foto: Gilles Sabrié/NYT

“Eu construí um sistema para lidar com perigos ocultos em minha jurisdição”, disse o policial, em um vídeo do governo local que elogiava seu trabalho como um modelo de policiamento inovador.

O grande irmão

Este é o tipo de governança local que o principal líder da ChinaXi Jinping, deseja: mais visível, mais invasiva, sempre atenta a “ameaças”. Os policiais patrulham prédios de apartamentos ouvindo vizinhos em conflito. Os funcionários recrutam aposentados que jogam xadrez ao ar livre como olhos e ouvidos extras. No local de trabalho, os empregadores são obrigados a nomear “consultores de segurança” que relatam regularmente à polícia qualquer suspeita.

O Partido Comunista Chinês há muito tempo exerce o aparato de vigilância mais abrangente do mundo contra ativistas e outros que possam possivelmente expressar descontentamento. Então, durante a pandemia de coronavírus, a vigilância atingiu uma escala sem precedentes, rastreando virtualmente todos os residentes urbanos em nome da “prevenção de infecções”.

O líder da China, Xi Jinping, está revivendo uma campanha de vigilância doméstica do tipo da era Mao: mais visível, mais invasiva, sempre à procura de ameaças reais ou percebidas e de agitação potencial
Foto: Gilles Sabrié/NYT

Agora, está claro que Xi deseja tornar esse controle expandido permanente e levá-lo ainda mais longe. O objetivo não é mais apenas lidar com “ameaças” específicas, como o vírus ou dissidentes. É incorporar o partido tão profundamente na vida diária que nenhum problema, por mais pequeno ou apolítico que pareça, possa sequer surgir.

A herança de Mao

Xi rotulou esse esforço de “experiência de Fengqiao para uma nova era”. O subúrbio de Pequim no vídeo de propaganda, Zhangjiawan, foi recentemente reconhecido na mídia estatal como um exemplo nacional da abordagem.

Fengqiao se refere a uma cidade onde, durante a era de Mao Tsé-tung, o partido encorajava os residentes a reeducar supostos inimigos políticos, por meio de chamadas sessões de luta onde as pessoas eram publicamente insultadas e humilhadas até admitirem crimes como escrever poesia anticomunista.

Um cartaz de propaganda desbotado representando o presidente Xi Jinping com o slogan “As pessoas têm fé, o país tem poder, há esperança para a nação”, em Zhang Jiawan, um subúrbio de Pequim
Foto: Gilles Sabrié/NYT

Xi, que invoca Fengqiao regularmente em discursos importantes, não pediu a retomada das sessões de luta, nas quais os supostos infratores às vezes eram espancados ou torturados. Mas a ideia é a mesma: aproveitar pessoas comuns ao lado da polícia para suprimir quaisquer desafios ao partido e manter a legitimidade do partido.

O partido retrata isso como um serviço público. Ao ter “zero distância” das pessoas, pode reunir mais rapidamente sugestões sobre, por exemplo, coleta de lixo ou poupar os residentes do trabalho de ir a tribunal por disputas comerciais. Em vez disso, os conflitos são resolvidos por mediadores do partido.

Xi frequentemente aponta para a experiência de Fengqiao como prova de que o partido é responsivo às necessidades e desejos das pessoas, mesmo enquanto sufoca a liberdade de expressão e o dissenso.

Legado

Também é um esforço para afirmar seu legado político. Altos funcionários elogiaram Fengqiao como um exemplo da liderança visionária de Xi, enquanto estudiosos a descreveram como “um modelo para mostrar a governança chinesa ao mundo”.

A campanha fortalece as capacidades repressivas de Pequim em um momento de desafios crescentes. Com a desaceleração da economia chinesa, protestos sobre salários não pagos e casas inacabadas aumentaram. Tensões com o Ocidente levaram Pequim a alertar sobre espiões estrangeiros onipresentes. O partido também apertou a vigilância de grupos como feministas, estudantes e ativistas dos direitos LGBTQIA+.

Em nome de Fengqiao, a polícia visitou tibetanos, uigures e outros grupos minoritários em suas casas, promovendo políticas do partido. Empresas foram obrigadas a registrar seus funcionários em bancos de dados policiais. Funcionários do governo deram “palestras contra seitas” em igrejas. Policiais e juízes foram instalados em escolas primárias como “vice-diretores de lei”, mantendo arquivos sobre os níveis de risco percebidos dos alunos.

Mas ao bloquear até mesmo críticas leves ou apolíticas, o partido também poderia erodir a legitimidade que está tentando projetar. O interesse de Xi na experiência de Fengqiao remonta a duas décadas, quando ainda estava ascendendo nas fileiras do poder.

No final, quase mil pessoas foram rotuladas de reacionárias, de acordo com autoridades de Fengqiao. Eles e suas famílias tiveram dificuldade em encontrar trabalho, ir para a escola ou até mesmo se casar. Mao declarou a “experiência de Fengqiao” um modelo para o país. Pouco depois, ele lançou a Revolução Cultural, outro movimento em massa que levou a uma década de derramamento de sangue.

Depois da morte de Mao, a frase caiu em desuso, à medida que seus sucessores se distanciavam do caos de seu governo. Xi, no entanto, abraçou a frase. Sua primeira visita a Fengqiao em 2003 foi à delegacia local, onde ele inspecionou uma exposição sobre os anos 1960. Meses depois, ele visitou novamente e elogiou a ideia de cortar problemas pela raiz. “Embora a situação e as responsabilidades que enfrentamos tenham mudado, a experiência de Fengqiao não está ultrapassada”, disse ele.

Controle

O apelo de Xi por mais controle social fez parte de uma mudança mais ampla pelo partido, em meio à rápida mudança dos anos 2000, em direção à “manutenção da estabilidade” —um termo genérico para conter problemas sociais e silenciar dissidências.

Depois que Xi se tornou o principal líder em 2012, ele redobrou esse foco. Menções a Fengqiao na mídia estatal se tornaram ubíquas. Então veio a pandemia de coronavírus —e o governo começou a rastrear os movimentos dos indivíduos até o minuto.

Isso foi feito em parte por meio da tecnologia, exigindo que os residentes baixassem aplicativos de saúde móvel. Mas também contou com o trabalho à moda antiga. Usando um método chamado “gerenciamento de grade”, as autoridades dividiram as cidades em blocos de algumas centenas de domicílios, atribuindo trabalhadores a cada um. Esses trabalhadores iam de porta em porta para impor requisitos de teste e quarentenas, às vezes selando as pessoas em suas casas.

A mídia estatal elogiou o sucesso inicial da China em conter a covid-19 como prova da utilidade contínua da experiência de Fengqiao.

Quando as pessoas começaram a se irritar com as restrições —culminando em protestos em todo o país em 2022— a abordagem detalhada provou sua utilidade de outra maneira, à medida que a polícia usava câmeras de reconhecimento facial e informantes para rastrear os participantes.

“A arquitetura está lá”, disse Minxin Pei, professor do Claremont McKenna College, que recentemente publicou um livro sobre o estado de vigilância da China. “Depois de três anos de bloqueios, ver como o sistema funciona provavelmente lhes deu muitas ideias.”

Os controles da covid-19 se foram. A vigilância intensificada não. Agora está claro que a intrusão acentuada do governo durante a pandemia foi uma aceleração de um projeto de longo prazo. O objetivo de Xi é mobilizar as massas para fortalecer o partido, como Mao fez, mas sem o tumulto. É aí que entram a tecnologia e a polícia, para garantir que as pessoas nunca saiam do controle.

“Esta é a próxima iteração” da obsessão do partido em sufocar a agitação, disse Suzanne Scoggins, professora da Clark University em Massachusetts, que estudou a polícia chinesa.

E Pequim está pressionando para expandi-la rapidamente. Ela encorajou os governos locais a contratar muitos mais trabalhadores para vigiar as grades designadas. No mês passado, o partido também emitiu sua primeira orientação de alto nível sobre o gerenciamento desses trabalhadores, pedindo um treinamento ideológico mais forte e recompensas e punições formalizadas.

Esses novos monitores de grade irão complementar as extensas fileiras de trabalhadores de vigilância da China, que além de policiais uniformizados e trabalhadores do partido também incluem até 15 milhões de pessoas comuns recrutadas como informantes do governo local, de acordo com a pesquisa de Pei.

Já alguns trabalhadores comunitários e policiais reclamaram nas redes sociais de estarem sobrecarregados.

O aperto do partido também pode sufocar o dinamismo de que ele precisa para reviver a economia. Uma vendedora de frango frito em Zhangjiawan, que deu apenas seu sobrenome, Ma, disse que não ganhou dinheiro suficiente para pagar o aluguel por três meses, em parte porque os policiais constantemente patrulhavam e a proibiam de montar seu carrinho na calçada.

“Se a economia sofrer, então haverá problemas de segurança”, disse ela. “As pessoas precisam comer. Se ficarem ansiosas, as coisas vão ficar bagunçadas.”

Source link

Fontes – Link Original

5/5

Compartilhe nas suas Redes Sociais

Facebook
Twitter
WhatsApp

Parceiros TV Florida

TV Florida USA – A sua TV Brasileira nos Estados Unidos

Registre-se

Registre-se para receber atualizações e conteúdo exclusivo para assinantes

Entretenimento

Noticias Recentes

@2023 TV FLORIDA USA