Boric faz promessa de campanha a professores, não cumpre e agora sofre pressão com greves e manifestações

Foto: Reprodução.

O presidente do Chile, Gabriel Boric, é cobrado pelos professores por ainda não ter cumprido uma promessa de quando assumiu o cargo, em 11 de março de 2022. Durante sua campanha, o mandatário afirmou que pagaria a “dívida histórica” do Estado com a categoria, herdada desde a ditadura de Pinochet (1973-1990). A aposta de Boric é Nicolás Cataldo, 1º ministro comunista do Chile desde Salvador Allende (1908-1973) e próximo à organizações de professores. 

O débito corresponde à desvalorização dos salários de milhares de professores da rede pública durante o regime militar. À época, o governo transferiu a administração de escolas nacionais para as prefeituras, o que resultou nos cortes de remuneração. 

O Conselho Nacional de Educação do Chile estima que as perdas salariais sejam de ao menos 14,3 trilhões de pesos chilenos (cerca de R$ 78,5 bilhões, na cotação atual). 

O presidente do Conselho Nacional de Professores, Carlos Díaz Marchant, disse durante manifestação em agosto que “este governo se atreveu a fazer uma promessa que os anteriores não fizeram, mas precisa também mostrar que arca com seus compromissos, ou será igual aos demais”.

Em 16 de agosto, o presidente Boric tirou Marco Antonio Ávila do Ministério da Educação e o substituiu por Nicolás Cataldo, o 1º ministro chileno declaradamente comunista desde Allende. 

Ao assumir o cargo, Cataldo, de 39 anos, enfrenta críticas tanto de aliados como de opositores. Uma semana depois de sua posse, o Colégio de Professores convocou uma greve nacional depois de 53,6% dos associados rejeitarem a proposta do ministério para reajustes salariais e melhores condições de trabalho. 

A aposta do Executivo é que a proximidade do novo ministro, que integrou o Colégio de Professores, consiga manejar as reivindicações dos professores sobre financiamento para o setor, violência escolar, o pagamento da dívida histórica e outro pontos. 

Por outro lado, o governo Boric também acredita que Cataldo consiga retomar o comando do setor, que atualmente enfrenta uma crise derivada de problemas estruturais do sistema e das consequências da pandemia. No último teste nacional de aprendizagem –como o Enem no Brasil–, todas as notas médias diminuíram em relação ao exame aplicado em 2018, especialmente entre alunos do 2º ano do ensino médio. 

QUEM É NICOLÁS CATALDO

Em 11 de setembro de 1973, dia do golpe militar de Augusto Pinochet, o pai do de Nicolás Cataldo, Héctor Cataldo, foi preso por fuzileiros navais. Héctor era integrante do Mapu (Movimento de Ação Popular Unitária, em português), um dos grupos que integrava a UP (Unidade Popular), que era liderada pelo ex-presidente chileno deposto por Pinochet, Salvador Allende. 

Héctor Cataldo ficou 2 anos preso, foi torturado e hoje seu depoimento consta nos autos da Comissão Valech, criada pelo governo chileno em 2003 para registrar as violências militares cometidas a milhares de cidadãos durante a ditadura.

Aos 27 anos, Nicolás, que é professor de história, ingressou no Partido Comunista e assumiu o Departamento de Educação e Aperfeiçoamento do Colégio Chileno de Professores, à época liderado pela atual embaixadora do Chile na Argentina, Bárbara Figueroa. 

A partir daí, o ministro Cataldo foi editor da revista Docencia, do Colégio de Professores, e conheceu Guillermo Scherping, diretor da publicação, que o Secretário de Estado mencionou como seu principal mentor. Segundo Cataldo, a revista foi o seu início nas políticas públicas ligadas à educação. 

 

Créditos: Poder 360.



Fontes – Link Original

5/5

Compartilhe nas suas Redes Sociais

Facebook
Twitter
WhatsApp

Parceiros TV Florida

TV Florida USA – A sua TV Brasileira nos Estados Unidos

Registre-se

Registre-se para receber atualizações e conteúdo exclusivo para assinantes

Entretenimento

Noticias Recentes

@2023 TV FLORIDA USA