Mauro Cid ‘tem bom caráter’ e ‘não vai inventar nada’, diz Bolsonaro sobre delação de ajudante

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou que o ex-ajudante de ordens da Presidência Mauro Cid é uma “pessoa decente”, tem “bom caráter” e “não vai inventar nada” na delação premiada, cujo acordo foi homologado no último sábado pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes. O acerto da colaboração teve como ponto de partida as investigações conduzidas no inquérito das milícias digitais que tramita no Supremo.

O inquérito apura a existência de uma organização criminosa, de forte atuação digital, que se articularia em núcleos políticos, de produção, de publicação e de financiamento, com a finalidade de atentar contra a democracia e o Estado de Direito no país. Em entrevista ao jornal “Folha de S. Paulo”, antes de ser submetido a uma nova cirurgia em São Paulo, nesta terça-feira, Bolsonaro negou qualquer vínculo com os atos golpistas de 8 de janeiro, quando bolsonaristas invadiram e depredaram as sedes dos três Poderes em Brasília.

“O Cid é uma pessoa decente. É bom caráter. Ele não vai inventar nada, até porque o que ele falar, vai ter que comprovar. Há uma intenção de nos ligar ao 8 de janeiro de qualquer forma. E o Cid não tem o que falar no tocante a isso porque não existe ligação nossa com o 8 de janeiro. Eu me retraí [depois da derrota para Lula], fiquei no Palácio da Alvorada dois meses, fui poucas vezes na Presidência. Recebi poucas pessoas”, disse o ex-presidente.

Na entrevista, Bolsonaro disse não ter medo que Cid o comprometa na delação. Afirmou que o ex-ajudante de ordens “não participava de nada” e “nunca estava presente nas conversas” com líderes internacionais, por exemplo. Cabia a Cid, de acordo com o ex-presidente, agendar os horários dos encontros com chefes de Estado, ministros, comandantes das Forças, entre outras autoridades. Bolsonaro afirmou ter recebido a notícia sobre a delação do ex-aliado “com tranquilidade”.

“Ele foi pessoa de minha confiança ao longo dos quatro anos [de governo]. Fez um bom trabalho. E tinha aquela vontade de resolver as coisas. O telefone dele, por exemplo, eu chamava de muro das lamentações. Não só militares, mas civis que queriam chegar a mim, vinham através dele”, declarou.

Bolsonaro também disse que ainda tem afeto por Mauro Cid e voltou a dizer que o via como um filho.

“Sempre o tratei como um filho meu. Eu sinto tristeza com o que está acontecendo, né? Eu não queria que ele estivesse nessa situação. E, agora, nos meus dias de reflexão, eu me coloco no lugar do Cid. E eu tenho um pensamento sobre ele: eu pretendo –e brevemente, se Deus quiser– dar um abraço nele. É só isso que eu posso falar”, concluiu.



Fontes – Link Original

5/5

Compartilhe nas suas Redes Sociais

Facebook
Twitter
WhatsApp

Parceiros TV Florida

TV Florida USA – A sua TV Brasileira nos Estados Unidos

Registre-se

Registre-se para receber atualizações e conteúdo exclusivo para assinantes

Entretenimento

Noticias Recentes

@2023 TV FLORIDA USA