Dívida do Brasil despencou nos últimos dois anos, mas agora projeção é de forte alta

Dívida do Brasil despencou nos últimos dois anos, mas agora projeção é de forte alta

Em outubro de 2020, em razão das medidas emergenciais adotadas pelo governo no enfrentamento da pandemia de Covid-19, a dívida pública do Brasil atingiu 87,6% do Produto Interno Bruto (PIB), o maior nível da série histórica do Banco Central (BC). Um ano depois, com a retomada da economia, o indicador já havia recuado para 80,4%, e o consenso do mercado via uma tendência de queda, até o patamar de 78,3% ao fim de 2030.

A dívida, porém, caiu muito mais rápido. Bons resultados fiscais nos últimos dois anos fizeram a relação dívida/PIB encerrar 2022 em 73,5%, a menor desde julho de 2017. Agora, porém, o mercado financeiro projeta novamente uma trajetória crescente para o endividamento do país, com uma dívida equivalente a 90,4% do PIB ao fim da década, conforme a mediana das projeções coletadas pelo relatório Focus, do BC. Para o fim de 2023, o ponto médio indica uma dúvida de 78,6% do PIB, mais de 5 pontos porcentuais acima do nível do ano passado.

O indicador é uma das referências utilizadas por agências internacionais de classificação de risco para avaliar a solvência de um país. A mudança drástica nas expectativas em alguns meses resulta de uma série de acontecimentos para além da mudança na Presidência, mas mostra o desafio que a equipe econômica de Luís Inácio Lula da Silva (PT) terá pela frente – a começar pelo novo arcabouço fiscal que promete apresentar até abril.

Como a dívida pública caiu em 2021 e 2022

O primeiro fator que ajuda a entender a oscilação nas projeções foi o cenário global favorável que ajudou a impulsionar as contas públicas nos dois últimos anos do governo de Jair Bolsonaro (PL). No início de 2021, o mercado estimava uma curva ascendente na dívida pública, com previsão de chegar a 2030 com um indicador acima de 97%, o que acabou sendo revisto ao longo do ano.

Luiz Guilherme Schymura, diretor do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), explica, em análise publicada em janeiro, que a surpresa positiva “derivou em parte expressiva de fatores positivos que não exatamente refletem a política fiscal corrente – embora seja inegável que a reforma da Previdência aprovada em 2019 e a contenção real do salário mínimo nacional e nominal da folha dos servidores também contribuíram para a melhoria dos resultados fiscais”.

“Estávamos em um momento de retomada da economia mundial, que foi seguida por uma valorização muito forte de preços de commodities, com destaque para o preço do petróleo, que subiu muito no final de 2021 e permaneceu elevado ao longo de todo o ano de 2022”, diz o economista Tiago Sbardelotto, da XP Investimentos. “Isso fez com que a arrecadação do governo com tributos crescesse de maneira que surpreendeu a todos.”

Para se ter uma ideia, a receita líquida primária estimada pelo governo federal no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2022, apresentado em agosto de 2021, era de R$ 1,596 trilhão. Ao fim do ano, o montante chegou a R$ 1,856 trilhão – isto é, R$ 260 bilhões a mais que o projetado.

O resultado foi um superávit primário de pouco mais de R$ 54 bilhões na União, ante uma meta original que era de déficit de R$ 170 bilhões. No setor público consolidado (que inclui estados e municípios), o saldo positivo foi de R$ 126 bilhões, ante uma estimativa inicial de déficit de quase R$ 50 bilhões.

As receitas associadas ao setor extrativo mineral, principalmente com petróleo e gás, corresponderam a 1,8% do PIB em 2021 e a 2,6% em 2022, bem acima da média de 0,9% entre 2011 e 2020, segundo o Ibre/FGV. “A gente tinha até então uma regra fiscal, o teto de gastos, que restringia a elevação de despesas e que atuou muito bem nesses momentos em que se tinha a arrecadação em alta”, ressalta Sbardelotto, da XP.

Aumento de arrecadação à parte, também ajudaram na redução da dívida pública operações de swap cambial e valores devolvidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ao Tesouro Nacional. Somente em 2021 e 2022, o banco de fomento liquidou antecipadamente R$ 135,3 bilhões em recursos que haviam sido captados da União.

Como a principal régua de endividamento público é calculada a partir da relação entre a dívida bruta do governo geral e o PIB, o próprio crescimento da economia ajudou a reduzir o indicador.

Gazeta do Povo

Leia também:

Fonte Terra

5/5

Compartilhe nas suas Redes Sociais

Facebook
Twitter
WhatsApp

Parceiros TV Florida

TV Florida USA – A sua TV Brasileira nos Estados Unidos

Registre-se

Registre-se para receber atualizações e conteúdo exclusivo para assinantes

Entretenimento

Noticias Recentes

@2023 TV FLORIDA USA